Os que seguem

quarta-feira, 10 de março de 2010

À minha mãe que se foi...

Inesperadamente.
Repentinamente.
Delicadamente.
Silenciosamente.

Foi assim que a morte deu vida a essa dor. Foi assim que a vida de minha mãe abreviou-se a despedida.

Só foram sete dias. Uma eternidade abreviada de aprendizado sem ti. De tempo que não mais usamos para partilhar ao seu lado. De tempo que não tivemos a chance de te abraçar, te beijar, acariciar seus cabelos, de correr ao teu colo e se fazer menina para roubar-lhe um, dói, ou três beijos. Agora não te temos mais aqui, em nosso meio.

E isso dói. Dói porque não aprendemos a viver sem ti. Não aprendemos a chorar sem seu consolo. Não aprendemos a andar sem que você no indicasse a direção. Não aprendemos a sorrir sem partilhar nosso riso frouxo. E não sabemos ainda, mainha, como será tudo isso.

Não sei como vai ser sentir suas lembranças nos cantos e recantos. Mas vai ser dolorido.

Não sei como dar conta dessa vida que não é só nossa, mas um tanto sua. Agora eu já não sei como chorar nem como sorrir. E não porque não tenhas nos ensinado, mas porque a sua fortaleza nos encorajava. Nos edificava e nos fazia melhores.

O meu melhor sem ti, se torna medíocre.

A minha força sem ti, agora é pequenina.

Meu olhar sem ti, agora é sem brilho, sem graça...

Porque minha mãe, rio de fortaleza, soube fluir bem na família e na comunidade. Soube alagar os passos pra driblar as dificuldades, soube renunciar para garantir nossa felicidade, soube ser humilde em todo sempre.

Sim. Minha mãe fora grande.

Fora fiel nas grandes e nas pequenas coisas.

Fora esposa companheira.

Filha exemplar.

Amiga incondicional.

Ser humano especial.

Cristã renovada.

Soubera ser mãe como quem não sabe ser outra coisa tão divinamente. Amou mais do que pôde, que extravasou quaisquer limites, se e que eles existem.

E é por isso. Que neste dia. Parece não haver palavras dignas para tanto.

Foi um tanto rápido. Surpreendente. E eu que nunca pensei em viver sem ti, continuo sem pensar. Porque , na verdade, não quero ficar longe de ti mainha, acho que a vida ficaria mais dura do que ela é. É duro ter que aceitar, ter que despedir, ter que chorar e não te ver por aqui.

E esse aperto aqui dentro? Sem minha mãe pra acalmar?

E essa vontade de desistir, sem minha mãe pra me incetivar?

E esse lamento?

E essa loucura de querer chegar e te ver de longe na porta de casa, como um tímido sorriso e um abraço escancarado pra dizer que chegando em casa nada de ruim me atingiria. Que chegando em casa nos seus braços estaria segura. Que chegando em casa os sonhos eram possíveis, a dor tranqüila e a vida mais feliz...

E nossos sonhos? E nossos planos? E nosso dia a dia? Como será?

Não. Eu não queria sentir essa dor de jeito nenhum. Mas talvez, por estarmos acostumados como você, ela se torne mais doída ainda, porque não nos acostumamos a chorar sem ter você do nosso lado para aparar nossas lágrimas.

Não tivemos tempo bastante para chorar o medo de sentir essa dor. E mesmo se tivéssemos tido, não seria suficiente. Mas se posso nesse momento recordar, resumidamente o tempo que vivestes conosco, recordo da mãe que arrumava suas duas filhas com vestidos iguais pra ir pro colégio. Da mãe que, ao lado do pai, sacrificou-se pra dar do bom e do melhor. Da mãe que nunca se ausentou. Que na pré-escola ou mesmo no ensino médio, adorava reuniões de pais e mestres.

Da mãe que pegou em nossas mãos pra nos levar pra escola, pra missa, pro sítio de meus avós, pra todo canto... da mãe que ao lado do pai, renunciou seus caprichos, se é que os tinha, pra não deixar que nada faltasse, pra dizer que estava ali, pra dizer que podia contar sempre.

Não. Eu não quero acreditar quando o poeta diz que o sempre, sempre acaba. Acreditar nisso agora é a coisa mais dura que eu poderia experimentar. E isso me dói.

Recordo ainda da mãe que, ao lado do pai, juntava trocados suados pra comprar uma roupa melhor pro Natal, pra festa de junho, pro material escolar...pro sorvete.

Lembro de mainha, que, levantara-se varias vezes na noite, ate um dia desses pra ver o sono de suas filhas. Pra ver a quietude do sono de uma menina, que mesmo aos vinte e poucos anos, acordara chorando, algumas vezes. Da mãe que não dormia antes que a sua filha distante te ligasse pra pedir a benção.

Lembro da mãe que sentava conosco pra jogar conversa fora. Da mãe amiga, que falava trabalho, de festas, de namoro...da mãe que na maioria das vezes, se tornava, tal como nós, a melhor amiga de minhas amigas.

Lembro da mãe que não tinha outros sonhos, senão, os nossos.

Lembro de mãe apaixonada. Do zelo interminável. Da paixão sempre viva. Do amor que dedicava ao casamento. Das renuncias. Das juras de amor...e dos beijos encabulados que eu via...mas achava tão bonito.

E agora, já não seria preciso dizer mais nada, a não ser do amor que temos, e da fé, que embora fraca, nos ajudará a entender tudo isso.

Lembro da mãe que, ao lado do pai, fez de todo um coração pra dizer que não havia dificuldade que não pudesse ser vencida. Da mãe que me incentivou a ser quem sou. A querer ser quem sou. E a gostar de ser quem sou.

E agora, eu só queria ter lido pra ti esse texto antes que eu tivesse lido ora todo mundo. Como eu fazia com minha matérias, minhas mensagens, minhas poesias... como eu fazia com essas coisas minhas, que também eram suas. Porque não sei se haverá nessa vida alguém que me incentive tanto como ela fez, alguém que cuide tanto de mim como ela fez, alguém que queira tanto o nosso bem, como ela sempre quis. Não. Não haverá. Mas se não nos tornarmos seres humanos melhores a cada dia, renegaremos tanto ensinamento que ela nos passou...

Faça-nos sentir o seu amor ainda entre nós, para que seja menos doída a nossa vida. E por painho quero que olhes, como sempre, quero que zeles como sempre, que esteja ao lado dele como sempre...e que o amor seja imortal...como nos ensinara.

A gente chora agora. Talvez amanhã também...e depois...e depois...Mas queremos contar com sua lembrança sempre, para que não nos sintamos sozinhos.

Sim, esta doendo. E essa dor é tão grande que já não tenho palavras pra expressar. Obrigada por tudo mainha e por amar nossas qualidades e defeitos, e por nunca desistir de nos fazer pessoas melhores.

Perdão mainha pelo silêncio que ainda restou. Pelo excesso que deixei escapar. Pelos erros que embora corrigidos por ti, cometi-os outras vezes. Pela imperfeição de nossos atos...pela demora em reconhecer sua razão...

Obrigada por tudo. Muito obrigada. Os ensinamentos serão pra sempre...

É verdade que nunca parei pra imaginar como seria a vida sem ti. E noto que minha opinião, foi por todo sempre, tal como a do poeta, quando diz que a mães não deveriam morrer...

Pode ser que depois a gente entenda, mas agora o que a gente mais queria era te ter de novo em nosso meio. Sentar do seu lado. Pegar na sua mão. Dar-te mil beijos, pentear-lhe os cabelos. Rir com a senhora...chorar com a senhora...fazer tudo na certeza de que estarias na porta de casa, abrindo a porta, ou então na ponta da calçada vindo ao nosso encontro...

Eu sei mãe. E vejo que a cada dia vai ser mais difícil sem ti.

E de onde a senhora estiver, antes que nos aplauda como fazias para nos incentivar, fiquemos todos de pé, para aplaudi-la.

E fique com Deus minha mãe, que tua família, teus amigos, e todos aqueles que te admiravam ou ouviram falar de ti, ficarão aqui, rezando pela senhora. As lembranças estão vivas. E nunca vão morrer.

Te amamos.

26 comentários:

Lorena disse...

Como sempre, minha amiga, continuo sem palavras para te confortar, talvez porque, na verdade, não há palavras!
Não consigo lamentar, não consigo descrever o que sinto ao te ver assim...
Não consigo parar de lembrar o quanto você dormia mal, quando você não falava com ela!
Não consigo ser hipócrita ao ponto de dizer, que a vida é assim mesmo...
Queria que soubesse, minha amiga, que assim como você, aprendi a admirá - la o tanto quanto, de tanto ouvir falar sobre ela nesse nosso "curto/longo" espaço de tempo que moramos juntas!!
Agradecer também pelo bolo, que ela sempre mandava , ah, e doce também; que, até tive oportunidade de agradecer, mas a timidez se sobressaiu!
E agradecer, principalmente, ao presente que ela mandou p minha vida, que foi você Ivanúcia!
Uma mistura de menina/mulher que nunca vi igual,uma das pessoas que aprendi a admirar sem medida!

No mais, conte comigo, minha amiga; a presença, as palavras,os ensinamentos, que de forma indireta, mas não menos intensa,oriundos dela e através de você, foram passados para mim, e estarão sim, entre nós...ETERNAMENTE!!

Ass.: Lorena

LidDy disse...

Quanto sentimento, minha amiga... mesmo estando tão distante dá pra sentir milimetricamente toda a sua dor... diante de tudo que li e senti em suas palavras tão bem colocadas, tão cheias de verdade, não vejo como te dizer algo, tentar te pedir pra ficar bem... não há como, sei bem a dor que estais sentindo, como me doeu ler tudo o que li e conhecer mais ainda o teu amor por ela... não tive como conter as lágrimas, como me dói também amiga, saber que tens que enfrentar tudo isso e que a dor não cessa e a saudade só aumenta. É uma pena não poder te ajudar, não saber como te ajudar, so peço a Deus em minhas orações que ilumine seu caminho, que te dê força para continuar, que Dê a Paz eterna a dona Lucia e muita, mas muita força mesmo a todos vocês. Ela precisa que vocês continuem, ela, de certa forma os preparou para que enfrentem a vida sem ela, e Deus nunca os abandonará, acredite nisso.
Te adoro, Muito!
Beijos!
Sua amiga, Lidianne

Magna disse...

Amores verdadeiros são pra sempre Ivanúcia, e como poeta, como tradutora de palavras que saem do coração não sei a intensidade dessa dor porque ainda não senti, mas sei o significado dessa dor, pq suas palavras traduzem ao menos uma parcela desta, e se não traduz o conteúdo completo é porque algo se escondeu atrás de uma lágrima, e se torna tão particular que nem o melhor dos poetas conseguiria traduzir. Um abraço, querida. Magna Fernandes.

Anônimo disse...

Como eu te compreendo, a dor e o vazio que sinto é igual ao teu. Nada que digam ou façam alivia o meu coração.Cada dia a saudade é maior e o desalento também. Dizem que o tempo cura tudo mas é pura ilusão, com o passar do tempo a saudade e a tristeza aumentam. A minha Mãe partiu e com ela partiu também o meu coração. Não estás sozinha partilho da tua dor e do teu sofrimento, sei que é difícil mas que tenhas muita força e coragem .

Anônimo disse...

é tbm perdi minha mãezinha faz 10 meses!!!tudo que expresou nessas palavras é o que meu coração tbm sente e mais por ter iso tão cedo,se foi sem ao menos dar-me tempo de dizer pela ultima vez:eu ti amo,obrigada por tudooo

beto disse...

OLHA SEI O KI É ESTAR SENTIDO ESSA DOR..PERDI MINHA MÃE A 1 ANO ATRÁS..FORÇA QUE DEUS TE AMPARE E TE CONFORTE...

Anônimo disse...

Dificil demais...

anna disse...

Sei bem o que é isso..tbm pedir minha jóia precisosa..minha..é uma dor que só sabe quem passa..ela era a minha vida..minha vida nao é mais a mesma..ela era minha vida..tudo para mim..só em falar mim emociono..eu sempre falava assim para ela...vc é o amor da minha vida. srs por isso eu digo quem ainda tem mae..procure fazer tudo por ela em vida porque depois que se vai nao tem mais jeito..ame sem limite..respeite-a...D carinho,atençao..e sempre diga que a ama..minha mae foi morar com Deus a 3 anos atrás e posso dizer que foi uma dor muito grande..mais nao digo jamais que a perdir..porque quando Deus leva nao é uma perda..Deus sabe todas as coisas nós que nao sabemos o que falamos. um abraço...

marcella-55 disse...

DEUS QUE TODAS ESSAS FILHAS QUE PERDERAM SUAS MAES SEJAM CONÇOLADA PELO SEU COLO, PELO SEU CALOR, PELO SEU AMPARO, DEUS QUE O SENHOR ABENÇOE A MUITAS DELAS QUE NAO PODE DAR O ULTIMO ABRAÇO A SUA MAE CONSOLE ELA E DE PAZ DE EXPIRITO A O SEU CORAÇAO,E A TODA MAE QUE O SENHOR DE UM LUGARSINHO ACONCHEGANTE AI NO CÉU DEUS.....

vera disse...

Espero que como eu, todas que ja perderam suas maes,em algum momento da vida, possam se unir, ter força para continuar a tragetoria da vida,sem poder dividir c elas os nossos momentos.Nunca vai passar a saudade de quem com o maior amor nos ensinou a viver um dia, nunca a esqueceremos, a dor nao se iguala à nenhuma dor.Essa é a minha homenagem às maes, e aquela se ja se foram.`à minha mae.

Paula disse...

Olá, achei seu blog pro acaso,li o texto e me emocionei...sei o que é isso...e como é essa dor,so quem passa,sabe...queria pedir se posso pegar alguns trechos desse seu texto para fazer uma homenagem para minha mãe...Obrigado...

Amandinha disse...

Caramba, não tem como ler isso sem chorar, me identifiquei muito, graças a Deus ainda tenho minha mãe do meu lado, mas eu já sofro e sinto tudo que tu sente só de pensar em perder a minha mãe, infelizmente isso um dia vai acontecer, essa é a lei da vida! Espero que tu já tenhas, na medida do possível te recuperado! Fiquem com Deus.

Laerson disse...

A vida sem as mães é triste, tão triste que eu me pergunto, pq. ela foi tão cedo, tão cedo? Embora tenha ficado ali do se.u lado por uma semana inteira tudo que eu precisa dizer, eu não disse, mas de uma coisa eu tenho certeza, pra ela ficou a certeza de que era a pessoa que eu mais amei nessa vida e isso, apenas isso me conforta agora depois de quase três anos sem ela

Anônimo disse...

SEI MUITO BEM COMO E ESSA DOR PERDI MINHA MÃE VAI FAZE TREZ MESES E OSA AMANHA E O ANIVERSARIO DELA NAO TEM DOR MAIOR DO QUE ISSO POIS NÃO PERDI SÓ MINHA MÃE PERDI MINHA AMIGA MINHA CONFIDENTE MINHA JOIA MAIS PRECIOSA KI EU TINHA SÓ DEUS SABE A DOR KI ESTOU SENTINDO

Anônimo disse...

SEI MUITO BEM COMO E ESSA DOR PERDI MINHA MÃE VAI FAZE TREZ MESES E OSA AMANHA E O ANIVERSARIO DELA NAO TEM DOR MAIOR DO QUE ISSO POIS NÃO PERDI SÓ MINHA MÃE PERDI MINHA AMIGA MINHA CONFIDENTE MINHA JOIA MAIS PRECIOSA KI EU TINHA SÓ DEUS SABE A DOR KI ESTOU SENTINDO

catarina disse...

Perdi a minha mae faz 13 anos..gostei muito do texto

http://quebecnosespera.women-blogs.com disse...

Parabéns Ivanúcia!
Suas palavras expressam meu sentimento...há exatos 17 dias,minha Mainha se foi...e dor é dilacerante...estou buscando forças não sai aonde para continuar sem minha grande incentivadora e fonte de inspiração...essa dor da ausência nos acompanhará pela vide inteira e espero que um dia,possamos nos reencontrar...só isso para me dar um ânimo.
Tudo de bom para você.
Clarissa.

Marcelo Oliveira disse...

Lindas e sábias palavras.
Minha mãe faleceu em março/2012 e essas palavras a retratam muito bem!
Obrigado.

Anônimo disse...

DIFICIL.....MUITO DIFICIL! NAO SEI COMO TITAR ESSA DOR DO PEITO!PERDI MINHA + OU - 20 DIAS.UMA DOR INSUPORTAVEL QUE EU QUERIA ARRANCAR AS GARRAS DE DENTRO DO PEITO.TEU TEXTO ME TOCOU MUITO,DIFICIL LER E NAO CHORAR.A GENTE PENSA QUE NUNCA VAI PASSAR POR ISSO,MAE DEVERIA SER ETERNA!

Anônimo disse...

Nao sei pq minha mae se foi,q dor q saudade q eu sinto deus a buscou em janeiro de 2012 desde entao carrego comigo uma tristeza enorme com ela se foi todos os meus sonhos,nao tem um dia q eu nao chore + sei q o nosso laco de amor e eterno pois eu amo muito ela,saudads das nossas conversas,e muito dificil + agente tem q ser forte,descobri q quem + me amou nessa vida concerteza e minha maezinha

Anônimo disse...

Sem dúvida minha mãe me amou incondicionalmente e um amor desse eu nunca mais encontar e hoje meu aniversário de 30 anos sem ela é só lágrimas, essa dor é pra sempre.

Anônimo disse...

Quem perde uma mae nunca mais e feliz como antes, essa tristeza que eu sinto essa dor parece que que nunca vai nos deixar, os pensamentos que vem toda hora em todos os lugares ,como seria se ela estivesse aqui comigo se a minha vida teria o mesmo destino, como seria quando ela olhasse para seus netos pela primeira vez. Tudo na minha vida mudou e sinto que nunca mais vou ser a mesma pessoa essa dor vai me acompanhar pro resto da minha vida .

Guinevere disse...

Queridos Amigos,

Como vocês, hoje também tento viver sem minha mãe que faleceu repentinamente aos 69 anos. Teho responsabildades com meus filhos, irmãos, sobrinhos, marido, de modo que, busco forças nessas relações. Mas sei que superar a dor que sinto pela morte de minha mãezinha, só quando chegar a minha hora. Beijos a todos. IEda.

Leandro Viana disse...

Perdi minha querida amada mãe dia 16/04/2014 estou ficando doente de saudades,sinto falta da sua voz do seu abraço...não tenho vontade de fazer mais nada,tenho medo da vida sem minha mãe...

syl disse...

Eu sei bem o q sente. A minha se foi ha quase 3 anos e nao tem um dia em q nao penso nela e nao sinto saudade. Vc nao vai se acostumar, mas com certeza vai aprender a viver sem ela. Deus nos da força a medida em q o tempo vai passando. Nao sera de uma hr para outra. Fique na paz.

Anônimo disse...

perdi a minha mãe há 1 ano, e concordo com um comentário acima que diz que, "quem perde a mãe nunca mais é feliz", não tem um dia que não choro com saudade da minha rainha, minha mãezinha, minha amiga, minha inspiração, enfim, é uma dor imensa....:(

À borboleta que te trouxe aqui

Repentinamente pousara ali.

Fez-se presente.

Como visita rápida veio e foi, mas ficou.

Bateu asas. Arrancou um sorriso e sem despedir-se plantou essa saudade.